De palavra, enfim
     
Madrugada

o metal da insônia
abre a carne da noite

os pés tingem de vida
estilhaços de vidro

as mãos guardam a rota
de outra nau submersa



Escrito por Maurício Guilherme Silva Jr. às 16h25
[] [envie esta mensagem] []


À margem

Com os pés sob a água,
alivia torpezas.

Desfolhos de alma
sobre lodo e silêncio.

Dor corredia
a se cravejar de feixes.

Desejo aleivoso
de cascalho e sol.



Escrito por Maurício Guilherme Silva Jr. às 16h22
[] [envie esta mensagem] []


[ página principal ] [ ver mensagens anteriores ]
 
CONTATO


HISTÓRICO
OUTROS SITES
UOL - O melhor conteúdo
Cinco Rios

VOTAÇÃO
Dê uma nota para meu blog!

RECOMENDAÇÃO
Indique este blog